Codex 632 segue ao estilo ‘O Código da Vinci’, mas fica devendo

Ana Giardini
3 Min Read
Em primeiro plano vê um homem meia idade com barba para fazer de camisa e terno preto. Ao fundo, do lado direito, vê-se Alexandre Borges, grisalho e barba semi cerrada. do outro lado, Deborah Secco aparece de vermelho com brincos compridos
Deborah Secco, Alexandre Borges e Paulo Pires protagonizam Codex 632 na Globoplay.Reprodução: Globoplay
O que você encontra na matéria

Codex 632 é a última minissérie estilo thriller lançado pela Globoplay com co-produção da portuguesa RTP. A série é baseada no livro de mesmo título do jornalista português José Rodrigues dos Santos. Em seu romance, o autor aborda teorias sobre a real origem de Cristóvão Colombo, uma premissa bastante interessante. Gravado no Rio de Janeiro e em Lisboa, Codex 632 é o primeiro trabalho internacional de Deborah Secco que se junta ao elenco com Alexandre Borges, Betty Faria e Paulo Pires.

- Continua após a publicidade -

Semelhante com o estilo das histórias de Dan Brown, como a famoso ‘O Código da Vinci’, a série segue o mesmo tipo de protagonista, desdobramentos narrativos e apoio em teorias reais ou conspiratórias sobre fatos históricos. Em Codex 632, o protagonista, o professor universitário Tomás de Noronha, é um especialista por decodificação. Por esta razão, ele recebe uma oferta de Nelson Moliarti, membro de uma Fundação Histórica, para concluir uma pesquisa iniciada por Martinho Toscano, que foi assassinado no Rio de Janeiro de forma suspeita. Movido pelo dinheiro oferecido pela Fundação, Tomás segue os passos de seu mentor para entender quais revelações Toscano teria descoberto que mudariam as teorias históricas e a organização financeira de certas pessoas.

Vale a pena assistir?

Apesar do bom enredo, a série deixa de aproveitar a possibilidade de mais elementos de ação e dinamismo que um bom thriller pede. Além disso, a trama paralela da amiga Vitória, acaba ficando irrelevante para a história, já que não tem uma ligação direta com a sinopse principal. Ela é uma trama secundária que existe apenas como um reforço da importância da questão histórica para uma população jovem universitária.

- Continua após a publicidade -

Por fim, fica no ar a curiosidade sobre os fatos para base da construção da série. Segundo o diretor Sérgio Baptista, foram várias as listas de documentos e teorias lidos para concluir o roteiro. Após o lançamento da série em Portugal, um novo debate entre o autor do livro e o historiador Roger Lee de Jesus começou. De acordo com o historiador, novas teorias sobre a verdadeira origem de Cristóvão Colombo seriam teorias conspiratórias sem base real em fatos. Mas, assim como em ‘O Código da Vinci’, quando se fala em entretenimento, os fatos reais importam menos que um bom roteiro com ideias interligadas que deixam no ar a dúvida se pode ser real ou não.

Codex 632 tem 6 episódios e dá gancho para uma continuação, apesar de não ter confirmação sobre uma nova temporada. A série segue disponível no Globoplay.

- Continua após a publicidade -

Confira o trailer oficial

Inscreva-se

Compartilhe essa publicação
Formada em Comunicação Social com foco em Rádio e Televisão pela Faculdade Cásper Líbero, com aperfeiçoamento em Produção pela New York Film Academy. Atuante dá área de entretenimento com passagem por programas de variedades, musical e ficcional, entre eles a implantação do programa Faustão na Band.
Comentários

Deixe uma resposta