Elas por Elas e o nosso reencontro após 41 anos

Jorge Bin
3 Min Read
Deborah Secco é Lara
Lara começa a receber suas amigas
O que você encontra na matéria

Há alguns meses, senti o mesmo que Helena, Taís, Carol, Adriana, Renée e Natália ao receberem o telefonema de Lara para um reencontro após 25 anos. Mas, no meu caso foi a chamada do remake de Elas por Elas e quem promoveria esse reencontro após 41 anos, é a Rede Globo. A anfitriã já deu logo de primeira a data pro reencontro: dia 25 de setembro. Horário também, às seis da tarde e local que seria o Rio de Janeiro.

- Continua após a publicidade -

Me senti muito animado, queria saber como estaria a novela, o que mudou, o que aconteceu com a história, afinal o mundo mudou, eu mudei, tudo mudou. Calma, calma, não é outra história, não. Mas se trata da nossa relação com Elas Por Elas.

Sim, já se foi todo esse tempo da primeira versão para este remake. E também não importa se você viu em 1982, no Vale a Pena Ver de Novo ou como eu, acompanhando atualmente pelo Globoplay, a emoção é a mesma. E cá estamos, sentindo a mesma coisa –  mais uma vez – como nossas heroínas, só que agora cara a cara com Elas por Elas, pois “habemus” estreia.

- Continua após a publicidade -

EXPECTATIVA

Uau, você está mais moderno e animada. Lembro muito bem da primeira cena de 82 que começava contando a morde de Zé Roberto com os olhos traumatizados da Natália. Agora começa com festa, uma pegada mais jovem em um plano sequência incrível e desta vez a vítima será Bruno. Nossa, como você mudou Elas por Elas. Mas fico feliz por te ver diferente e modernizada. Bem segura de si, com nomes das personagens na tela e explicando quem é quem na trama. Você tá bem clara.

REALIDADE

Mexer num texto do gênio Cassiano Gabus Mendes é algo que beira a heresia. Mas este f5 cuidadoso de Thereza Falcão e Alessandro Marson sob o olhar de Amora Mautner está primoroso também. Vamos acompanhar.

- Continua após a publicidade -

“Melô do Piripipi” está presente para Mário Fofoca, de Lázaro Ramos, que arrasa muito, mas não foi o mesmo que senti na icônica abertura. O “Hey, hey” não teve o mesmo impacto como o do The Fevers, e nem as sete amigas durante a abertura como na primeira versão. Ok, a gente não pode ter tudo.

Mas no final deste primeiro capítulo tive a mesma reação que a primeira versão: me tornei fã imediato. Já querendo ver o próximo capítulo e o seguinte, e o seguinte… Sentimento compartilhado, e idêntico, a minha mãe que acompanhava junto a mim a esta estreia. Como diria Lucimar em Salve: “Minha Elas por Elas tá VIVA”.

- Continua após a publicidade -

Inscreva-se

Compartilhe essa publicação
Comentários

Deixe uma resposta